18 de setembro de 2019, Vitória da Conquista - BA
06 set2019

FAINOR é representada em reunião com o CNE

por Ascom

Doze propostas de melhoria foram apresentadas ao Conselho Nacional de Educação

O Diretor Geral da FAINOR, professor Edgard Larry Andrade Soares, participou nesta semana de uma reunião do Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular com o Conselho Nacional de Educação – CNE. O professor Larry é presidente da Associação Brasileira das Mantenedoras das Faculdades – Abrafi e membro do Fórum. A sessão, que teve como tema “Simplificação da Legislação e o Desenvolvimento da Educação Superior”, foi realizada na sede do CNE, em Brasília.

 

“Considero que a reunião com o CNE foi uma vitória do Fórum, ficando reconhecido o importante papel que desempenham as instituições de ensino particulares no país. Nesse sentido, cabe ressaltar a participação da Abrafi, cumprindo o seu papel de defender os interesses das Faculdades”, avaliou o professor Edgard Larry.

 

Na reunião, o secretário-executivo do Fórum e diretor-presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior – ABMES, Celso Niskier, detalhou as propostas do Fórum para a simplificação da legislação educacional. Ao todo, 12 pontos integram a proposta, entre eles, a implantação de Comissão Única de Avaliadores pelo Inep; a ampliação do ciclo avaliativo do Enade de três para cinco anos; além de revisão dos períodos de validade do recredenciamento, entre outras importantes pautas que podem ajudar no desenvolvimento do Ensino Superior do país.

 

Como resultado da reunião inédita entre os representantes do ensino particular e o CNE, foi estabelecido um acordo para criação de um grupo de trabalho reunindo o Fórum e o Conselho, com o objetivo de discutir as pautas prioritárias da educação superior brasileira.

 

Convergência de pautas

Segundo o presidente da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação – CES/CNE, conselheiro Antonio de Araujo Freitas Júnior, o debate ressaltou a convergência de ideias do Conselho, do Fórum e do Ministério da Educação. “Nós temos a obrigação de tentar resolver os problemas das instituições de educação, sejam elas particulares, públicas ou comunitárias, para que o Brasil não recue enquanto outros países avançam, porque quem sofre, em última análise, é a população, especialmente a de menor renda”.

 

Visão do MEC

Representando a Seres/MEC, Marcos Heleno de Oliveira Júnior, diretor de Política Regulatória, deixou claras as intenções da secretaria em atuar junto ao setor de educação particular. Ele afirmou que o órgão tem completa consciência de que existe um emaranhado de regulamentos e portarias que torna, inclusive, o trabalho de reformulação das normas muito complicado.

 

“Quando pensamos na educação superior, o diagnóstico está na frente de todos: temos um mercado altamente regulado, custos crescentes, falha na entrega de resultado e ineficiência de cobertura. Nesse cenário, nosso desafio é aumentar as matrículas na educação superior, combater a evasão, melhorar a entrega e formar capacidades”, disse Marcos Heleno.

 

Com informações da ABMES, da Abrafi e do Fórum
Fotos: Abrafi 

Compartilhe